domingo, 24 de fevereiro de 2013

Mais um....(Buraco do Padre)

Bom dia,


Sábado foi dia de pedalar, e que pedal legal. A história desse passeio começa pra mim na terça-feira, pro pessoal de Penápolis, deve ter começado bem antes. Estive em reunião na terça-feira com o secretário de turismo aqui da cidade para uma mesa redonda e avaliação de criação de rotas de cicloturismo aqui pela região. ao fim dessa conversa, que por sinal foi muito proveitosa, ele me falou desse grupo que viria de Penápolis para Ponta Grossa para um passeio e me perguntou se eu conseguiria organizar um grupo daqui para acompanhá-los, é óbvio que me prontifiquei.
Lancei o convite no facebook com as seguintes palavras:
Povos, se estão acompanhando outros posts daqui, sabem que dia 23 (sábado) estará chegando na cidade um grupo de Penápolis (SP) para um dia de pedal por nossa região. Até onde sei o trajeto deles é uma visitação ao Buraco do Padre pela manhã, almoço ali perto do Passo do Pupo, e na parte da tarde vão pra Mariquinha. Eu me candidatei a ir junto com eles, mas acho que preciso de mais alguns corajosos (e que não vão para o Metropolitano) pode ser tanto para a parte da manhã, como para a parte da tarde. Alguém se candidata?

E eis que um participante do nosso grupo, e também de um grupo de escalada ficou extremamente revoltado com o fato de podermos adentrar ao lugar. Uma breve explicação sobre o porque da revolta do moço: O Buraco do Padre esta fechado a algum tempo com objetivo de revitalização após alguns anos de degradação devido a visitação até mesmo de vândalos. Alguns grupos de escalada/montanhismo/turistas tentaram conseguir liberação para entrarem por lá, e não conseguiram, ai esse participante (que por sinal é velho de guerra em discussões que não levam a crescimento de ninguém) tomou as dores de todos e resolveu tentar melar o passeio. Levou a notícia a meio mundo, envolveu uma galera e nos deixou bastante preocupados. Mas quando chegou o sábado cedo, resolvemos sair assim mesmo, e ao chegar lá, ai sim pensar no que fazer, caso fossemos barrados.
conseguimos confirmar um grupo de 6 pessoas para ir acompanhar a excursão, marcamos as 8 no famoso cocozão, que agora inexiste, mas mantivemos o nome para o mesmo lugar.

Ai quando deu 8:20 ainda faltava um grande amigo nosso pra chegar, ligamos no celular e nada, mandamos mensagem e nada....ai aproveitamos que a casa dele é bem perto desse lugar e fomos lá. Tudo fechadinho, carro na garagem, bike no quintal, e um silencio incrível. Resultado....o moço ganhou uma montagem no nosso grupo!
 Fica ai a cara do miliante que nos deu bolo!

Voltando ao assunto principal....
Saímos perto das 8:30 com destino a estrada do Buraco do Padre, pegamos bastante vento contra e por isso o ritmo foi bem devagar. Achávamos que íamos chegar perto das 9:00, 9:10 no máximo, e assim, antes do ônibus, que haviam nos passado previsão de chegar entre 9 e 10. eis que no meio do caminho o busão nos passa, hauahauahauahaua, o jeito foi apertar mais um pouco o ritmo, mesmo com o vento. Quando chegamos na estradinha, as bikes já estavam todas montadas, pessoal todo equipado, quase que só esperando a gente. Houve uma breve manifestação do secretário de turismo, do representante da excursão e pausa pra algumas fotos que ainda não peguei com o pessoal de Penápolis.
Essa foto foi no ponto em que achei que havia começado a gravar a descida.....me confundi com os botões e na verdade só fiz uma foto. Infelizmente fiquei sem registro da descida. Mas posso dizer sem medo que o pessoal curtiu muito o ladeirão de quase 5km.
Já lá na entrada do Buraco do Padre, devido a interdição, que foi feita com um grande buraco cheio de água,, tivemos de passar por uma cerca e nisso o pessoal todo se reagrupou.
Até a repórter que nos acompanhou (ali na esquerda)
Mais 1km de pedal, e resolvemos parar as bikes e iniciar nossa caminhada. Foi gostoso ver a animação do pessoal, e também observar como de fato o lugar esta se recuperando, espécies de cogumelos no meio da trilha era coisa que eu não tinha visto lá ainda, e digo que então, talvez, eu só tenha ido lá com ele bem degradado. Passamos por algumas árvores caídas, e logo chegou a hora de molhar os pézinhos naquela água gelada.
Ao ver todo o volume da cachoeira nesse dia, cheguei a conclusão de que cada vez que fui até lá, vi algo totalmente diferente e novamente apaixonante. Nunca tinha visto aquele lugar com tanta água.



Mas fomos acompanhados de uma surpresa também. Podem ver que no canto das fotos existe uma grande corda...sim....era um grupo fazendo rapel. Depois de muito discutirem comigo nesses dias, encontrar invasores lá (pois não tinha autorização, como nós ciclistas) levou a crer que toda a discussão, todos os argumentos que usaram, foi absolutamente em vão. Uma grande decepção, os que se disseram trabalhar lá a anos pra preservar, invadindo o local.
Passado isso, foi hora de curtir o visual, e mais gostoso ainda, ver todo o pessoal sem palavras pra descrever o que eles estavam vendo. Lindo, fantástico, muito bonito...eram as únicas coisas que eu conseguia ouvir, mas com a nítida sensação que lhes faltavam adjetivos. Ficamos ali por quase 1 hora e começamos nosso retorno, na entrada da caverna ainda me pediram pra dar entrevista que depois eu posto aqui, perguntando qual era a sensação de trazer gente de tão longe para ver toda aquela beleza, e a sensação de ver invasores no local.
A subida de volta é relativamente pesada, e teve um pessoal que esperou a carona do caro de apoio. E o fim de tudo foi num café colonial ainda na estrada do Buraco do Padre.
Ali me despedi deles e vim embora. Na parte da tarde eles ainda seguiram para a cachoeira da Mariquinha. Espero do fundo do coração que tenham se divertido muito lá também.
Segue o vídeo:



E o roteiro que eu fiz:



Espero que o pessoal de Penápolis tenham gostado do passeio que escolheram fazer, e que retornem mais vezes para cá, ainda tem muito lugar bonito na região pra conhecer.



Um grande abraço a todos.