domingo, 18 de agosto de 2013

Mais um...(Olhos D'água)

Bom dia,

Ontem tivemos pedal! E que gostoso foi o dia, sem muitas palavras pra descrever o que o ciclismo esta crescendo e se agregando em Ponta Grossa. Esta ficando muito gostoso mesmo, e vocês já vão entender o porquê.
Ontem eu acordei ainda sem pretensão nenhuma de pedal, pois havia combinado durante a semana de pedalar com a Amanda até o Passo do Pupo no domingo (hoje no caso), mas eis que durante a manhã a Anne me pergunta se eu ia pedalar, e me avisou de um pedal que eu não estava sabendo. Digo isso porque todo sábado, quase que sem falta, o Stark faz um pedal, só que é bem pesado esse pedal, e eu ainda acho que não é pra mim, pelo menos por enquanto. Então esse era carta fora do baralho, ai que a Anne me avisou que o Rodrigo e a Jé fariam um pedal paralelo a esse, saindo do mesmo lugar, só que em ritmo bem mais light e sem as monstruosas subidas em que o Stark leva a galera. Perfeito pra eu e a Amanda pedalar, ainda mais por conta de Jé estar voltando a pedalar também. Então liguei correndo pra Amanda, e tirei ela do estudo dela, abandonou agenda de unhas, cabelos e tudo (fiquei mais facero que gordo de camisa nova, neh?) e quis ir pedalar! YEESSSSS!!!!!
Passei pra buscá-la, amarrei as bikes no carro e fomos pro ponto de encontro do pessoal, Campus UEPG as 13:00. Chegamos atrasados, mas o povo estava todo lá ainda.



Esperamos mais um pouco, mais algumas conversas, e pegamos estrada de novo, até o Biscaia agora. E foi de carreata mesmo. Mais de 8 carros com certeza desceram a serrinha, foi bonito de ver!
Chegando lá, foi bike descendo de tudo quanto é carro, alguns ajustes ainda e ai a foto com todo mundo (lógico que depois chegou mais gente ainda, mas a foto foi essa).


Aqui não da pra dizer que o pessoal se dividiu porque fora eu, Amanda, Jé e Rodrigo, foi todo mundo pro mesmo caminho, nós fomos os desertores, e daqui pra frente o relato é só nosso!
Nosso passeio tinha destino a Caverna Olhos D'água, a 16km do Biscaia por estrada de terra e sem muitas subidas (subidas no padrão Ponta Grossa, porque subida sempre tem), um trajeto que eu ainda não tinha feito, pra um lugar que eu não conhecia, lógico que a curiosidade estava grande, mas....sempre tem o mas, o objetivo principal era acompanhar as meninas num pedal de quem esta ganhando ritmo e resistência ainda, além é claro de estar aprendendo a andar na terra com seus buracos e descidas com pedras. E então nosso pedal foi marcado por algumas coisas interessantes, nas descidas a Jé descendo sem frear ia bem lá na frente e eu ficava com a Amanda bem devagarzinho pra ela acostumar com as pedras e todo aquele negócio de a bike vim batendo. Nas subidas a Amanda já vinha bem melhor e buscava todo mundo, porque ai a Jé diminuía, e assim a gente foi andando.





E foi incrível a quantidade de pequenos lagos e nascentes que tem nessa região, praticamente durante todo o caminho corria água ao nosso lado, pelas valetas da estrada. E com um tanto de pedal, passamos por um rio que tinha, se não a água mais cristalina que eu já vi, uma das mais cristalinas, o fundo era perfeitamente visível  mesmo do alto da ponte (esta bem que ela não era tão alta).




Depois do rio, ainda fizemos duas subidas um pouco mais fortes, mas ainda assim nada estonteante. Passamos alguns vilarejos e as crianças brincando de pega-pega deu até uma ponta de saudade da infância, ai lembrei que estava pedalando, então estava brincando também, e foi bom perceber que um pouco daquela ingenuidade ainda pode estar presente em mim, e nesse monte de amigos ciclistas que eu tenho hoje. Depois um tempinho, o Rodrigo parou com a Jé pra tirar uma blusa e eu e a Amanda fomos indo na frente, passamos uma subida mais pesadinha e fizemos uma descida, no fim dela olhamos pra trás e nada do casal, esperamos um pouco e nada. Gordinhos que somos, já colocamos as bikes num barranco e abri a bolsa, foi quase um picnic, salgadinho, isotônico, chocolate e canudinhos recheados. Nisso o casal chegou e comeram com a gente.




Papo vai, papo vem..."Olha a hora", "Olha o tempo fechando", "Lanterna?", e depois de avaliar tudo isso, resolvemos  voltar, mesmo sem ter chegado na Caverna. Tudo bem, o pedal era pra ir pegando ritmo e jeito, então objetivo cumprido, não valia o risco de ficar no escuro, molhado e passando frio. No fim, não aconteceu nenhuma dessas coisas, o frio veio de verdade, mais a gente já tinha chegado, a noite veio (lógico), mas a gente já tinha chegado também e a chuva....essa não veio até agora.
Nessa nossa volta, a Amanda ainda aprendeu a descer em pé na bike, e isso deu muito mais segurança pra ela, então o ritmo foi até mais alto um pouco. Paramos de novo na beira do rio, Jé e rodrigo resolveram tomar coca, e eu e a Amanda matamos nossos isotônicos. Não resisti e fui tirar mais umas fotinhas do rio. Ainda impressionado com a clareza da água.




Outro aprendizado do dia foi como sair pedalando nas subidas, e agora já é quase um Mountain Biker profissional, logo vai fazer todo tipo de passeio e trilha. Mais subidas, leves, mas que a Amanda deslanchava ne frente, ai ia um pouco na frente e esperava o Rodrigo chegar com a Jé, numa dessas a Amanda resolveu recolher uma lata de cerveja que estava na estrada, aproveitou pra treinar sair pedalando na subida e ainda fez um pouquinho pelo ambiente. Só que com uma lata de cerveja nas costas e limite de velocidade de 40km/h ali do lado, quem ia conseguir explicar pro guarda que ela estava a cima do limite porque tem medo de usar o freio? Se tivesse guarda, acho que recebia a multa. Brincadeira, ela estava bem devagar.




E mesmo nesse ritmo todo, fomos os primeiros a chegar de volta no Biscaia. Únicos que estavam lá eram o Bruxo, Nilson e Lilia, que já preparavam a liguiçada pro pessoal. E quando eu disse lá no começo que o ciclismo aqui esta mudando um pouco, olhem na foto quanta gente, e olha que ainda da pra dizer que mais um tanto desse de gente que ficou de fora da foto. O pessoal todo confraternizando, se divertindo e contando histórias dos pedais. Muito gostoso mesmo estar ali.


 E agora o vídeo do nosso passeio.



E o mapa do percurso.


Grande abraço a todos!