terça-feira, 6 de novembro de 2012

Mais um...(Paranaense MTB Ponta Grossa)

Bom dia
Pessoal esse fim de semana foi aguardado por alguns dias, muita expectativa, e ele chegou. Feriado prolongado, quer melhor? E pra fechar o feriadão a última etapa do Campeonato Paranaense de MTB XCM que aconteceu aqui, no quintal de casa!
O trajeto foi definido semanas antes da corrida e eu já tinha visto que ia ser pesado, até o nome da trilha é assustador, Punk Perdido com riozinho. Mas continuei fazendo meus pedais e me preparando pra sofrer um pouco.
O feriado chegou e como a corrida era só no domingo, aproveitei a sexta pra fazer um pedal com a namorada e levei ela até uma cachoeira.
  
Ai descansei bem o sábado, dormi, relativamente cedo porque a ansiedade não deixava dormir antes. Acordei bem cedo no domingo e já comecei arrumar as coisas, camelback, bolsinha da bike com câmara, remendo, bombinha e tudo mais que a segurança pede. Me troquei e desci do apê, surpresa desagradável do dia, cheguei no bicicletário do prédio em que moro e vejo que a blocagem do meu selim estava mexida, olhada rápida na bike e constatei que o pisca traseiro tinha sido levado com suporte e tudo, decepção com a humanidade, mas não é o foco do relato.
Coloquei a bike no carro e segui pra panificadora, tomar o meu café da manhã, pão de queijo, salgado assado de frango e um bom suo de laranja. Juntei mais uns doces de amendoim pra levar e esperei a namorada chegar.
Assim que ela chegou descemos para o Passo do Pupo, onde foi a largada. Primeira coisa a ser feita foi a retirada do número! 799!



Número pego, fiz um breve aquecimento conversei um pouco com a galera, vi o pessoal que tinha ido só pra assistir e logo chamaram pra alinhar. 




Foi legal ver o pessoal todo me aconselhando sobre o caminho, onde valia a pena me esforçar mais e onde a força seria em vão. E claro, todo mundo preocupado com o nível da prova. O pessoal alinhou todo mundo junto e as categorias iam saindo uma a uma.




E foram chamando, chamaram a elite, a master, a elite feminina, os juniores (não nessa ordem obrigatoriamente) mas fato é que começaram a chamar as categorias de 26km antes da estreante que eram 46km. Ai eu olhei as meninas e perguntei se tinham chamado os estreantes, elas, só pra me por medo. "Já largaram Bil, que você ta fazendo aqui?" ai deu o desespero, ainda bem que vi um pessoal que eu sabia que eram da minha categoria, e estavam ali ainda, gritamos a organização e eles nos chamaram pra largar. Haviam mesmo nos esquecido!
Na hora de alinhar o nervosismo pegou!




E largamos!



E nem chegou na terra, eu já vi que não ia seguir no ritmo do grupo da frente, como sabia que o caminho não era fácil, resolvi seguir acompanhando o monitor cardíaco e finalizar a prova. Um pouco de areia no começo, pra aquecer as pernas, e o Bil ainda muito desconfiado com essa história de corrida.


E depois foram muitas descidas, e põe descidas nisso, muito gostoso de fazer na bike full, e o ritmo estava bem legal. Fui ultrapassado pela Talita ainda antes das descidas, mas depois acompanhei uma galera e no km 23 mais ou menos encontrei a Elizangela, passei por ela, e segui até o primeiro top, ali já decidi empurrar. Antes do fim da subida ela me passou e fomos assim revezando um tempão, até o km 37 aproximadamente. Foi por ai, também, que eu perdi uma sapata do freio traseiro e não consegui mais acompanhar ela por conta das descidas em que eu não podia tirar a diferença das subidas, já que nas mais fortes, ela subia pedalando e eu empurrando. Outro que nos acompanhou nesse tempo foi o Paulo, e que com os meu problemas do freio, sumiu na frente também.
Eu continuei a vida d pedalar enquanto conseguia, descer devagar por conta do freio e empurrar nas subidas mais fortes. Até que depois de uma das subidas mais fortes, na minha opinião, saí de volta na estrada da pedra alta, dali eu sabia que ainda faltavam aproximadamente 5km e boa parte deles de uma subida longa mas não muito ingrime, ali eu resolvi acelerar um pouco e ver o que era possível de fazer. Fui subindo e acelerando, passei um ou dois atletas e encostei no Paulo de novo, passei por ele e trouxe ele comigo. Antes da chegada ainda passei mais um atleta e apontei pra bandeirada!




Desse jeito completei a prova com 2 horas e 50 minutos e fiz o décimo primeiro tempo entre os estreantes, só 52 minutos atrás do primeiro. O mais legal foi ver que o competidor logo depois de mim, ficou apenas 11 segundos atrás, ele foi o último atleta que passei antes de chegar ao portal. Na hora eu não soube disso, mas foi gostoso saber que superei alguém quando já praticamente não tinha mais força.
Falei muito da dificuldade do trajeto e tenho uma foto pra provar que não era nada fácil, mas que mesmo assim era muito belo!




E mais um momento engraçado foi quando quis comer alguma coisa e só tinha o doce de amendoim no bolso, e cheguei a conclusão de que ou eu ia comer ou eu ia respirar, pra comer e respirar eu teria de parar, resolvi continuar respirando. rs rs
A corrida foi bem pesada, mas confesso que me diverti muito e já estou me preparando pra mais uma no dia 02 de dezembro, antes disso tem a corrida contra o câncer do ISPON, que eu também vou participar (mas essa é a pé). Acho que fui fisgado pelo prazer de competir.
Segue um mapa do trajeto.


E o perfil de elevação!


E o saldo foi muita diversão, uma sensação de superação inigualável e muitos bacons a menos!