quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Mais um...(Expedição Quatro Barras/Graciosa)

Boa noite,

Esse fim de semana foi muito especial, foram dois belos passeios e um Super desafio, tudo no mesmo fim de semana.
E tudo começou quando apareceu esse banner num dos grupos de bike no facebook.


Primeira coisa foi ver se havia interessados aqui de Ponta Grossa, e logicamente que houveram. Enquanto buscava informações sobre valor de inscrição e a localidade do evento, surgiu uma ideia. A ideia virou convite, o convite virou certeza e de uma Pedalada da Natureza surgiu também uma descida e talvez subida da Serra da Graciosa. Que tal?
Mais um pouco de conversa com o grupo, e com a secretaria de turismo de Quatro Barras e já estávamos com mapa na mão, inscrições feitas e reserva numa pousada. Só faltava viajar mesmo.



Nos programamos pra sair de Ponta Grossa as 5:30, então coloquei a câmera pra carregar e fui tentar dormir, mas só consegui dormir mesmo as 2h, acordei as 4h já liguei pro Marcão pra acordar ele. Acabei de arrumar as últimas coisas e fui buscar a Amanda, com um pouco de atraso cheguei no Marcus, arrumamos as bikes no carro dele e fomos pro ponto de encontro da galera. Saímos pra BR e paramos pra tomar café, dali pra frente sem mais paradas até a Chácara Tapera Velha. Exceto por ter perdido uma entrada e ter de seguir uns 10km a mais pra encontrar um retorno, foi tudo bem.
Muito bonito o local, com lagos e um bom salão, rústico, mas bom. Chegamos cedo em relação aos demais, e até ficamos um pouco preocupados, mas logo o lugar ficou cheio e percebemos que o passeio ia ser divertido. Todo tipo de bike e pessoas, passeio mesmo, crianças estavam ali junto com os pais. Muito legal ver essa interação das crianças com a natureza e com a família. Bem melhor que qualquer vídeo game.











Iniciado o pedal, fizemos um pequeno trecho em asfalto e entramos na terra. Caminhos bem bonitos, com belas vistas da Serra do Mar. Em alguns pontos era possível ver em simultâneo o Morro do Anhangava, o Complexo do Marumbi e o complexo do Pico Paraná, impressionante é o mínimo que da pra dizer. Passamos por um trecho com algumas subidas um tanto duras pra um passeio com crianças e pra iniciantes, que achei que poderiam ser retiradas. Mas muito bonito o caminho, e certamente penso em repetir ano que vem.

















E na chegada de volta a chácara, um bom almoço pra galera. Segui junto com a Amanda o Nilson e a Lilia, e chegamos quase 1h depois do resto do nosso grupo (isso porque eram só 25km de pedal).







Ainda deu tempo pra um cochilo rápido


E chegou a hora de arrumar as bikes no carro e rumar pra pousada. Chegando lá a Bruno nos esperava dormindo bem tranquila no tapete!


Rolaram as higienes básicas de cada um, e saímos tomar café da tarde. De volta à Pousada, uma rodada de truco e tereré (mate gelado) enquanto esperávamos a Anne chegar de Curitiba na rodoviária, pra gente sair buscar ela e jantar.








Depois da pizza não teve jeito, o sono bateu e eu fui dormir. Pessoal ainda conversou um pouco mas logo estavam todos na cama também.
O resumo do dia!!!



Amanheceu e o povo já levantou com o sol. Todo mundo atiçado pra descer a Graciosa. Alguns amigos ainda chegaram de Ponta Grossa no domingo cedo. O pessoal foi ajeitando as bikes, os carros de apoio e tomando café, quase que tudo ao mesmo tempo. As 9:30h estávamos saindo da pousada.





Saímos novamente pela Estrada Original da Graciosa, passando pelo centro de Quatro Barras e só paramos no Oratório do Anjo da Guarda. Pessoal aderiu bem ao tereré!!
























Continuando, passamos por uma pequena vila, encontramos um pessoal de Curtiba e paramos novamente só na bifurcação que existe entre a estrada asfaltada e um trecho de 4km que conserva o calçamento original.





















Desse ponto só encontramos com o carro de apoio quando chegamos no mirante principal da Graciosa. Estava bem cheio, mas não percebemos o que aquilo significava.










Ficamos um pouco por ali pra recuperar energias, trocamos a motorista (que até aqui era a Amanda) pelo Starkinho e começamos a parte que a maioria mais aguardava. Essa parte ficou melhor no vídeo, mas ainda consegui algumas fotos bem legais.











 Depois de passar por essa ponte, o pedal foi mais forte até chegar em Morretes e por isso não deu muito pra concentrar em tirar fotos, mas deu pra por algo no vídeo, não deixe de assistir.
Em Morretes almoçamos muito bem em um restaurante tradicional da cidade com direito a vista pro rio.





Todo mundo almoçado, o pessoal começou arrumar as bikes no carro pra subir a serra, menos 4 loucos que iriam voltar pedalando. Eu, Everton Hegler, Gegeco e Starkinho. Confesso que achei que não iria conseguir subir toda aquela ladeira, mas depois que cheguei lá e fui pedalando, percebi que é muito mais paciência e tentar manter a calma do que força propriamente dita. Lógico que não é fácil, mas não é absurdamente difícil. E um dia quero repetir a subida. Saí do restaurante em Morretes as 15:30h e as 18:00h estava no mirante. Um por do sol bem calmo, daqueles que vão relaxando o corpo, me acompanhou enquanto via a Baia de Paranaguá lá embaixo.





Caindo o Sol, ainda pedalei mais um pouco até o Marcão me encontrar com o carro de apoio. O Hegler já estava no carro também. Andamos mais um bom tanto pra encontrar o Starkinho, que não quis o apoio, e nem precisou. O Gegeco nessa altura já tinha chegado na pousada e estava de banho tomado. rs rs
Fiquei feliz de conseguir fazer toda a subida, ainda mais tendo descido no mesmo dia. Logo pretendo encarar de novo esse desafio.
Segue o vídeo da descida.



Um grande abraço a todos!!