sábado, 3 de maio de 2014

Mais um....(Pedal do Pinhão)

Bom dia!

Quinta-feira, feriado, dia ganho, então o jeito foi sair pra um pedal. recebi o convite do Stark, e como recusar um pedal com muita subida, bons amigos, trilha fechada, e churrasco no final, com direito a uma vista daquelas que a gente passa a semana esperando? Não deu pra recusar.
Essa semana estive no estágio do SAMU, na quarta-feira fiquei lá das 7h da manhã até as 17h direto, cheguei em casa com pretensão de estudar alguma coisa, mas cai no sono e acordei as 23h, ai já era o estudo. Abri o computador na esperança de distrair um pouco e logo dormir, descansar bem pro pedal, mas não foi bem assim. Consegui dormir já era 2:35h, programei o despertador, mas nem precisei, próximo das 5h começou um vendaval absurdo e acordei até um pouco assustado. Dai pra frente foi um dorme um pouquinho, acorda, dorme mais um pouquinho até as 6:30h. Ai levantei e fui arrumar as coisas com calma.
Tudo pronto, bike presa no carro, era hora de ir tomar um café e seguir pro ponto de encontro. abasteci o carro, tomei café numa padaria e cheguei no Campus as 8:05, horário de encontro era as 8:30, tive de esperar. Mas não muito, logo o pessoal começou chegar.





Todos os confirmados chegaram, ai foi só por a caravana na estrada. 20 minutos depois chegamos no Mosteiro, já na Estrada do Cerne. Pense um lugar bonito. Preparamos as bikes e fizemos pose pras fotos do início (todo mundo facero, rindo, só alegria). O pedal começou mesmo já eram quase 10h.









O pedal começou do melhor jeito possível...descendo! E desceu muito! Estradão, trilha, barranco, não importava muito, o importante é que estávamos descendo. Ahhh, e descendo com cuidado, porque era uma porteira atrás da outra. Ainda bem que o Stark conhece quase todos os fazendeiros da região, ou algum parente até meio distante deles, não é Starkinho??






Depois de algum tempo de pedal, passou o Felipe pela gente.....de carro! Ai inventou uma desculpa esfarrapada de que tinha perdido a hora. Migué né!?! No fim...azar o dele que perdeu. Fizemos mais algumas boas descidas, sempre em meio à Pinus, Araucárias e alguns lugares com bastante barro, só pra deixar tudo mais divertido. 
Passamos por um trecho com umas pedras bastante lisas, e depois mais um pouco de barro, nessa hora consegui um flagrante do Davi tentando me dar um tombo, só porque eu ia passar por ele! Maldade seu Davi!! Depois disso passamos por dentro da fazenda de um senhor, trocamos umas palavras com ele, o Stark mostrou todo seu dom em lembrar o nome dos parentes distantes dos fazendeiros e deu tudo certo, mesmo que depois de umas 3 ou 4 tentativas. Por pouco que não tivemos de voltar dali.
Ai quando a gente menos espera, pegamos uma boa subida, dessas de usar a vovózinha e pinhão grande atrás, só que eu entrei com a marcha errada e acabei empurrando um trechinho, assim que melhorou, subi na bike de volta e fui embora, fazendo força e espantando as vacas que estavam no caminho.



Nessa de ir subindo.....subindo.....subindo.....passei por uma das entradas, ainda bem que o povo gritou e eu tinha subido pouca coisa a mais. Entramos de novo numa área de Pinus com bastante barro, e estava muito liso. Fizemos umas descidas num estilo tobogam, que não tinha freio que desse conta 100% de parar uma bike naquele barro. E logo voltamos pras subidas.



Sobe um pouco, mais um pouco, mais um pouco e ai quando você ache que vai ficar leve, o Stark entra de novo numa trilha fechada, escondida, cheia de mato no começo, que é pros jeepeiros não entrarem. Ai todo mundo ficou feliz, porque todo mundo acertou na previsão, descida com barro, liso e muitos galhos no meio do caminho. resultado....até o Sr. Stark comprou seu terreno, pena que não filmei. Mas em meio a essa descida, encontramos pinhão. A galera já se empenhou em sair catando as pinhas, estouraram e iam pondo os bons nas camel backs, feito criança.



Dali pra frente o pedal foi barro, mato, ponte faltando, tombo meu (a roda entrou num buraco e encavalou, fui catapultado da bike), atravessa rio, mato, subida, ponte faltando partes, mais subida e mato e finalmente voltamos pra Estrada do Cerne. Ai foi a parte que o pessoal sofreu mais, uma subida até voltar na bifurcação pro Mato Queimado.


Ai descia um pouco e outra subida até o Crutac, descia um pouquinho e ai veio a subida mais chata do dia, até o Mosteiro de volta. Como fiquei pra trás ajudando o Telles com um pneu furado, fui dos últimos a chegar, antes disso o Stark já tinha chego, pego o carro e vindo buscando os mais cansados. consegui chegar, e cheguei bem até. O mais legal foi ver a cara de cansaço da galera em relação ao início do pedal. Mas a cara feia passou logo, foi só sair as primeiras carnes da churrasqueira. 

Segue o vídeo e o trajeto do pedal.






Grande abraço a todos.